segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Um poema para chamar a sua atenção.



Ninguém

Ele estava perdido,
Seus passos silenciosos,
Repercutiam em sua alma,
Chorando na solidão,
De um coração aflito.
Pessoas passavam e nem o viam,
Suas lágrimas não cessavam,
A dor era atroz, agonizante,
E ninguém ali para mitigar o seu desespero.
Seus olhos buscavam com aflição,
Um sorriso de compreensão,
Mas a única coisa que via, frieza.
O desprezo era gritante,
Incompreensivo,
Frustrante.
Quantas vezes a correr em fuga,
Quantas vezes a dormir nas praças,
Quantas vezes a dor da fome e do frio,
A acalentar sua carne.
Ninguém lhe estendia a mão,
Ninguém se importava,
Apenas passavam,
Como se ele nem se quer existisse.
Hoje, seu corpo não se mexe mais,
Sua alma não mais sofre,
Não sente frio e nem fome,
A dor não o fustiga mais,
Está livre.
Finalmente, feliz.