sexta-feira, 29 de setembro de 2017

                   Um poema para a noite.














Saudade
Graça a esvoaçar,
Nas asas de um pássaro.
Na agilidade de uma cotovia,
A pureza alcança o seu olhar.
Seu nome é beleza,
De um corpo pueril,
Carregado de sedução.
Seus lábios me dizem,
A canção em que seu coração,
Atormenta a minha alma.
Tudo são lembranças,
Malditas lembranças,
Onde não mais,
Posso sentir a minha dor.
E a pequena cotovia,
Não dança mais,
Esquecida no tempo,
Esquecida de mim.
Minha pequena cotovia.
Priscila Marcia Mariano.
29/09/2017